BLOG

  • Oncotag

31 de maio - Dia Mundial Sem Tabaco

Texto produzido por Nara Rosana Andrade, sócia da OncoTag e médica oncologista da Cetus Oncologia.



Este dia foi criado em 1987 pela Organização Mundial de Saúde (OMS) para alertar sobre as doenças e mortes evitáveis relacionadas ao tabagismo. De acordo com a OMS, 7 milhões de pessoas morrem anualmente pelo tabagismo; destas, 900 mil são vítimas de fumo passivo.


A campanha Mundial Sem Tabaco 2019, lembrada 31/05/2019, tem o objetivo de alertar quais são os danos causados aos pulmões pela exposição ao tabagismo e visa aumentar a atenção para:

- Os riscos do tabagismo ativo e do fumo passivo.

- Os danos do fumo para saúde pulmonar.

- A magnitude de doenças e causa de morte em todo mundo relacionadas ao tabaco, incluindo câncer de pulmão e doenças respiratórias crônicas.

- As evidências da relação entre tabagismo e as mortes por tuberculose.

- As implicações do fumo passivo para a saúde pulmonar em diferentes faixas etárias.

- A importância de manter a saúde pulmonar para a saúde de todo o organismo,

para melhorar a de vida e aumentar a longevidade.

- As alternativas existentes para atingir o público de interesse e os governantes, defendendo as políticas de controle do tabagismo e melhorando a saúde pulmonar de toda a população.


O tabagismo é uma doença causada pela dependência física à nicotina. A nicotina encontrada nos derivados de tabaco age no aumento da contração dos vasos sanguíneos, acelerando a frequência cardíaca, aumento da pressão arterial, que podem levar a isquemia (suspensão da circulação do sangue) e ao infarto agudo do miocárdio. Já o monóxido de carbono produzido através da queima do cigarro, causa diminuição da oferta de oxigênio ao coração, levando também à isquemia, privando alguns órgãos do oxigênio, causando deficiência na oxigenação dos tecidos, podendo assim ocasionar doenças como a aterosclerose. Assim, a junção da nicotina com o monóxido de carbono pode provocar diversas doenças cardiovasculares.


Além dos danos á Saúde Pública, a produção e o consumo de produtos do tabaco geram importantes impactos socioambientalistas pouco conhecidos, como o uso de lenha para aquecer as estufas que secam as folhas de tabaco que serão utilizadas na fabricação de cigarros, o que leva ao desmatamento e ao desequilíbrio da biodiversidade em tempos de severas mudanças climáticas.


O consumo do tabaco é o principal fator de risco para o desenvolvimento de câncer de

pulmão e importante fator de risco para doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC), tuberculose, dentre outras enfermidades pulmonares.


Além disso, a exposição ao tabagismo passivo (ou seja, a exposição involuntária à fumaça do tabaco), em curto período, pode acarretar reações alérgicas — rinite, tosse, conjuntivite, exacerbação de asma. Em adultos expostos por longos períodos, o tabagismo passivo pode levar ao infarto agudo do miocárdio, câncer do pulmão e doença pulmonar obstrutiva crônica (enfisema pulmonar e bronquite crônica). Em crianças, a exposição passiva aumenta o número de infecções respiratórias. Bebês expostos ainda no útero às toxinas da fumaça do tabaco — por meio do tabagismo materno ou da exposição materna ao fumo passivo — frequentemente experimentam redução do crescimento e da função pulmonar.


Cinco coisas que devemos nos informar sobre tabagismo:


1) Equivocadamente muitas pessoas acreditam que o tabagista é um “viciado", “sem força de vontade", “que não deixa de fumar porque não quer". Não é isso.

2) Quem fuma sofre de dependência química, e ás vezes necessita de várias tentativas até que finalmente consiga abandonar o tabaco.

3) Entender o que acontece com o tabagista e suas tentativas de parar de fumar é fundamental para que se possa ter a real dimensão do problema.

4) Se você quer parar de fumar comece escolhendo uma data para ser o seu primeiro dia sem cigarro. Este dia não precisa ser um dia de sofrimento. Faça dele uma ocasião especial e procure programar outra coisa que goste de fazer para se distrair e relaxar.

5) O consumo de derivados do tabaco causa cerca de 50 tipos de doença, principalmente as cardiovasculares (infarto, angina), o câncer e as doenças respiratórias obstrutivas crônicas (enfisema e bronquite). Estas doenças são as principais causas de óbitos por doença no Brasil, sendo que o câncer de pulmão é a primeira causa de morte por câncer.


Bibliografia


1) Kumpel C., Porto E. F, Matos A. A. Et al: Características Clínicas relacionadas ao tabagismo de indivíduos idosos assistidos pelo Programa da Família RBM rev bras. Med.; 67(6) jun, 2010.

2) Castro M. R., Matzuo T., Nunes S. O. Et al: Características Clínicas de fumantes em um centro de referência de abordagem e tratamento do tabagismo. J. Bras. Pneumol; 36(1):67-74, jan-fev. 2010.

3) Pinto M., Ugá M. A. D. :Custo do tratamento de pacientes com histórico de tabagismo em hospital especializado em câncer. Rev. Saúde pública; 45(3):575-582, jun. 2011.

4) INCA-Instituto Nacional de Câncer: www.inca.gov.br

Horário de Funcionamento:

Segunda a sexta, das 08h às 18h

  • Facebook Oncotag
  • Instagram Oncotag
  • LinkedIn Oncotag
Ícone voltar ao topo

© 2019 todos direitos reservados à Oncotag.

Desenvolvido por Bonita Comunicação Digital.

WhatsApp Oncotag